– Este é um período em que você está com medo, com insegurança e ao mesmo tempo com ansiedade?
– No momento é importante entender que não precisamos parar nem ir rápido demais e que o nosso peso não vai nos definir como pessoas. Precisamos entender que devemos continuar as mudanças, mesmo em confinamento.
Para isso:
– Melhorar os maus hábitos e condicionamentos antigos;
– Controle o medo de mudar e a pressão familiar contra a mudança;
– Cuidado com o desencorajamento diante do próprio excesso de peso;
– Não se iluda porque tem um histórico de não conseguir perder o peso;
– Cuide do desejo insaciável por alimentos salgados, doces ou gordurosos;
– Cuidado com a falta de tempo, o que torna os industrializados uma busca fácil.

A fim de superar estes obstáculos e o confinamento, venho compartilhar com vocês que o segredo está na consciência, pois somos treinados e condicionados a prejudicar nosso corpo das seguintes formas:
– Comendo sem consciência, sem nos preocuparmos com as substâncias presentes nos alimentos;
– Perdendo o total controle sobre o apetite;
– Optando por porções cada vez maiores ou menores a ponto de comer em excesso ou ter fome;
– Fazendo uso emocional dos alimentos, por exemplo, para aliviar o estresse;
– Procurando formas mais rápidas para satisfazer os desejos alimentares.
Estes obstáculos tem início em um só lugar: A MENTE.
O corpo é o reflexo físico das escolhas que fazemos ao longo da vida.

COMO VOCÊ ESTÁ ESCOLHENDO?
Conhecimento é importante, mas a solução é transformar a nossa consciência.
Quando você decide mudar a alimentação: Você faz REGIME OU OUTRA COISA?
REGIMES implicam em um tipo inadequado de motivação, que sempre leva à falha, pois inclui sacrifício, privação e conflito com o autocontrole.
A OUTRA COISA é reequilibrar os sinais da fome do corpo levando o impulso para comer como
um aliado, e não um inimigo. Trata-se de acertar as mensagens que conectam o corpo e a
mente (mindfull eating = comer com consciência plena).
Você deve pensar da seguinte forma: A abordagem corpo x mente: ENCONTRAR A PRÓPRIA

SATISFAÇÃO PARA NUTRIR:
– O corpo de alimentos saudáveis;
– o coração de alegria, compaixão e amor;
– A mente com conhecimento;
– O espírito com serenidade e consciência pessoal.

LEMBRAR QUE:
Alimentar-se normalmente É BOM;
Alimentar-se em excesso parece bom no momento, mas leva a resultados ruins a longo prazo;
Ceder à ansiedade não é bom de jeito nenhum – de imediato surgem remorso, a culpa e a
frustração;
Ficar viciado em comida leva ao sofrimento, ao declínio da saúde e à total falta de autoestima.
Então para mudar essa concepção de somente peso e medidas funcionam ou é o melhor
caminho, você deve se perguntar:
– Temos fome e precisamos comer?
– Estamos tentando preencher um vazio, e a comida se transformou no jeito mais rápido de
fazer isso?
Quando conseguimos o controle da fome real com a emocional, o equilíbrio do corpo vem
naturalmente e não precisamos preocupar mais com o peso, tornando-se este algo que não
nos incomoda da maneira que antes fazia.